sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

da minha pança, com amor!

A pedido de varias famílias, eis-me aqui. Em primeiro lugar para vos satisfazer a gula, que no fundo vocês querem é encher a mula de coisinhas boas e que preferencialmente não vos arredondem a forma, fair enough, e depois porque já estava mais do que na hora de voltar a escrever por estas bandas, já que a maternidade, além de deixar 10 kg residentes na minha pessoa, deixou também pouco tempo disponível. Particularidades inerentes à minha coelhinha memé.

E como eu, além de ruím como as cobras como sabem, também sou muito bem mandada, cá estou para satisfazer o vosso desejo e partilhar algumas dicas que podem tornar a cozinha saudável menos chata e nha-nha-nha wiskas saquetas. Isso e poder dizer 'rais'os parta que não podem ver nada pá!'. Ah brincadeirinha! Tinha saudades disto ;)

Bom, uma 'piquena' introdução a quem possa ser recém chegado a estas bandas: a minha história contra a balança é já épica. Não tão mediática ou sensacional como a da Oprah naturalmente, mas longa. Eu nunca fui magra, pelo menos até a puberdade cair em cima de mim com todo o seu esplendor. Até aqui tudo certo. Ora a maternidade, como era de prever, não viria tornar a coisa mais fácil. Tornou 'só' a minha vida mais rica e estupidamente mais cor de rosa, mais isso são outros quinhentos. Posto isto, cá andamos diariamente a lutar contra esta pança de lontra bebé. Para quem não sabe, o gajo cá de casa percebe alguma coisa [tipo muito] disto... Geralmente ele emagrece pessoas, em ambiente de trabalho, leia-se ginásio. Mas como em casa de ferreiro o espeto é de pau, e eu sou uma pessoa que gosta de manter tradições... Em relação ao treino só vos posso encaminhar para trabalhar com ele, que de facto é quem percebe melhor do assunto. Em relação a nutrição saudável, cá em casa pratica-se e isso posso partilhar.

Sabemos sem ter que pensar muito que a perda de peso passa essencialmente pelo que comemos, que é como quem diz, depende do que nos passa pelo estreito. E com outros resultados que já tive, conheço o meu corpo suficientemente bem para saber que sem disciplina não vamos lá. Mas disciplina militar, coisa a roçar os comandos ou coisa que o valha. Que comigo ou vai ou racha. Não há cá mais ou menos, cortar só ao jantar... Não. Sei perfeitamente que açúcares e hidratos é mandá-los num paquete para os Açores ou nada feito. E dói. Eu sou de Mafra porra, e querem que eu não coma pão? Tem que doer. Mas se não for assim, não saio desta 'versão conforto' e isso também não me agrada. 

A bem dizer sabemos todos que a boa alimentação devia ser uma constante, não por uma questão estética, mas pela saúde, pela nossa saúde. E a mudança de hábitos custa mas faz-se. Lá em casa somos três e há um tipo que é viciado em proteína. Defende a proteína tão bem que já me conseguiu por a comer as cangalhadas todas proteicas que ele come e pior: eu gosto! Tal como nas crianças, somos todos bichinhos de hábitos, e não vale dizer que não se consegue porque o corpo é uma coisa incrível... Para bem e mal, habitua-se a quase tudo. No fundo é tudo uma questão motivacional, e este é também o cerne da questão. A motivação é o que nos move. Já sabemos que o açúcar, a comida, vicia tanto o mais do que álcool, tabaco ou até heroína, pelo que enquanto não nos der na real gana que havemos de mudar de hábitos, nada feito. E ouvimos constantemente aquela lengalenga "epá tens que treinar!", verdade, mas treinem o que quiserem a encher a mula e vejam lá se perdem peso. Podem até conseguir, se deus nosso senhor e os anjinhos vos tiverem abençoado com um metabolismo daqueles que queimam até água, já eu respiro fundo e engordo meio quilo, é um facto, por isso, pés ao caminho que a vida não está para molezas! E o gajo que dorme lá em casa corrobora: ele vive disso, e no entanto é profissional o suficiente para aconselhar quem o procura que sem alimentação equilibrada, os resultados são outros. A isto chama-se sensatez. 

E para não variar, já me alonguei. Sou perita nisto. Depois não digam que querem que eu volte a escrever... Dá nisto! Mas vá. Vocês queriam receitas não era? Então antes de mais precisam de uma lista de compras. Procurem um Celeiro, ou similar, e tragam de lá:

- uma proteína de qualidade (Gold Nutrition é uma boa opção e sabor a baunilha é pau para toda a obra, se me faço entender)
- uns pacotes de claras pasteurizadas
- leite e óleo de coco
- frutos secos ( a gosto, variados, podem usar em varias receitas e petiscar entre refeições)
- linhaça moída
- aveia 

Estes são alguns básicos, que juntamente com algumas dúzias de ovos, podem passar a fazer parte do recheio da vossa dispensa e frigorífico. Em breve partilho a receita das panquecas e dos waffles, que não levam açúcar ou farinha, por isso podem esquecer essa parte da mercearia. E também podem esquecer o sermão colegas que me apanham no avião a comer uma panqueca ou waffle que o meu marido gentilmente prepara para eu levar e que vos faz vir logo fisgados "ah e depois queres emagrecer sua lontra!"Vá. Sosseguem. Atentos, que a receita vem em breve. 

Tudo às compras!


Ju*


1 comentário:

Liliana Fernandes disse...

Like it! Go Joana...you can do this!;) beijocas